Você sabia que o Magnésio é um mineral que participa de mais de 300 funções metabólicas em nosso organismo? Sendo assim indispensável para funções vitais como: na formação de ossos, no metabolismo energético e funcionamento neuromuscular que também é responsável por manter a saúde do coração.

Como está a sua dose diária de Mg? Será que você tem suas necessidades atendidas?

A quantidade de ingestão recomendada varia entre 320 a 420 mg, podendo ser obtidos através da dieta ou de forma complementar por meio da suplementação com o cloreto de magnésio.

Será que é fácil suprir essa necessidade diária?

Pode não ser tão fácil assim, se levarmos em consideração todas as exigências que deveriam ser atendidas para que obtenhamos esse nutriente através da alimentação sem a necessidade de suplementação.

O que deveríamos consumir através da dieta?

Uma alimentação rica em algas marinhas, folhas verde escuras, cereais integrais, sementes e castanhas, e é importante dizer que tudo isso teria que ser livre de agrotóxicos.

Também deveríamos cuidar melhor da nossa microbiota intestinal, consumindo mais alimentos probióticos (bactérias benéficas) e prebióticos (fibras solúveis, substrato para as bactérias benéficas) já que é no intestino que o processo de absorção acontece.

O que deveríamos evitar na dieta?

Para mantermos um bom aporte de Mg no organismo também deveríamos reduzir a ingestão de álcool assim como alimentos industrializados e processados, excesso de sódio, uso de medicamentos e antibióticos. Problemas digestivos também dificultam absorção ideal do magnésio

O que deveríamos evitar no nosso dia a dia?

Já existem evidências que a deficiência de Mg pode provocar estresse, assim como o estresse pode contribuir com o desequilíbrio na homeostase desse mineral.  Além disso devemos evitar submetermos a situações de privação do sono e o sedentarismo.

Como você pode perceber grande parte dos nossos hábitos da vida moderna contribui de forma significante para que as necessidades desse nutriente não sejam atendidas corretamente, por isso a suplementação pode ser uma forte aliada na busca de uma vida mais equilibrada e saudável.

Estudos realizados no Brasil, observaram que mais da metade das pessoas possuem algum tipo de deficiência de magnésio seja pela ingestão inadequada através da dieta ou excreção aumentada.

Segundo a POF (Programa de orçamento familiar) dos anos de 2008-2009, o consumo alimentar de magnésio teve uma das maiores inadequações para a faixa etária de 19 a 59 anos e acima de 60 anos, para ambos os gêneros, sendo que essa inadequação foi superior para mulheres com idade acima de 14 anos (85%).

O consumo reduzido de magnésio nessa população pode ser explicado pela baixa ingestão de alimentos fonte, como vegetais verdes escuros, cereais integrais e oleaginosas conforme citado acima.

Resultados similares foram encontrados por Araújo em um estudo científico, os quais observaram prevalência de inadequação da ingestão de magnésio maior que 70% para ambos os gêneros, estima-se que nos dias de hoje esse número seja ainda maior.

Sabemos que a carência de um único nutriente tão importante como o magnésio pode gerar várias desordens já que esse mineral é fundamental para diversos processos orgânicos. Então quais seriam as funções e que benefícios podemos esperar do magnésio?

Quais são os benefícios do Mg na nossa saúde?

Auxilia a formação de ossos e dentes. É dessa forma que grande parte do magnésio é armazenado em nosso corpo e quando essa deposição não é feita de forma eficiente aumentam as chances de termos osteoporose.

Indispensável no metabolismo energético, a deficiência desse nutriente pode gerar indisposição durante o dia e sono de pouca qualidade durante a noite, podendo até mesmo se agravar em um quadro de insônia.

Importante para a saúde do coração, já que atua na manutenção da função normal dos nervos e músculos, ritmo cardíaco normal, condução neuromuscular, contração muscular, pressão arterial normal, dessa forma atua prevenindo contra o surgimento de doenças cardiovasculares.

Auxilia no equilíbrio dos eletrólitos já que a homeostase desse nutriente em nosso organismo é regulada principalmente pelos rins.

Atletas e praticantes de atividade física que realizam exercícios de longa duração e/ou intenso tendem se beneficiam com o uso do suplemento do cloreto de magnésio pois tem sua necessidade aumentada de Magnésio, já que o exercício exige uma demanda maior e o suor aumenta a perda desse mineral.

Níveis baixos de magnésio têm sido associados a uma série de doenças crônicas, incluindo enxaquecas, doença de Alzheimer, acidente vascular cerebral (AVC), hipertensão, doenças cardiovasculares e diabetes mellitus tipo 2. 

Para escolher um suplemento de boa qualidade, procure pela inscrição “cloreto de magnésio PA” no rótulo do produto. A sigla PA significa “Puro para Análise” e implica em maior concentração e melhor absorção do mineral pelo organismo.

Será que você precisa repor esse mineral?

Consulte um médico e/ou nutricionista.

Stephani Cardoso
Nutricionista – CRN3- 54805

  1. Volpe SL. Magnesium in disease prevention and overall health. Adv Nutr, 2013;
  2. Vannucchi H, Monteiro TH. Magnésio. ILSI Brasil. São Paulo, 2010.
  3. Brasil. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa de orçamentos familiares 2008-2009: Análise do consumo alimentar pessoal no Brasil. Coordenação de Trabalho e Rendimento. Rio de Janeiro, 2011;
  4. Araújo MC, Bezerra IN, Barbosa FS, Junger WL, Yokoo EM, Pereira RA, et al. Consumo de macronutrientes e ingestão inadequada de micronutrientes em adultos. Rev Saúde Públ, 2013.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *